8 de fev de 2011

Diário Liberdade: um ano de ativismo informativo anticapitalista ao serviço dos povos lusófonos

Diário Liberdade - Neste dia 8 de fevereiro, o Diário Liberdade cumpre um ano vida. Pode ser umha boa altura para refletirmos sobre o caminho andado e o que ainda nos resta.

Uma reflexom que fazemos em voz alta e partilhada com os milhares de companheiros e companheiras que dia a dia acompanham este trabalho informativo das formas mais diversas: traduzindo e envidando-nos textos, redigindo notícias ou artigos de opiniom, sugerindo novas fontes informativas, corrigindo erros e facilitando novos contatos para crescermos coletivamente... ou simplesmente dando umha vista de olhos à capa, renovada pontualmente cada um dos últimos 365 dias, para ler umha ou outra matéria.

O desafio marcado inicialmente polo núcleo fundador do site foi bem ambicioso: levarmos à prática informativa as ideias da irmandade entre os povos de fala galega que se espalham polos cinco continentes, nomeadamente o irmao português e o gigante brasileiro, sem esquecermos os povos africanos que figérom do português o elemento unificador das suas identidades nacionais como nascentes estados surgidos da derrota do colonialismo na década de 70 do passado século.

Todo isso a partir de umha naçom sem Estado, um povo oprimido que foi berço da língua comum: a Galiza. Umha naçom, um povo, desconhecido para a maior parte dos falantes de português no mundo, que mal conseguem situar num mapa este cantinho da Península Ibérica de história milenar e existência negada polo imperialismo espanhol. A mesma existência deste espaço informativo, orientado para todo o mundo lusófono, é também um grito de denúncia contra o Estado espanhol, que impede ao nosso povo o exercício do nosso legítimo direito de livre determinaçom e nos impom umha língua, condenando a nossa à marginalidade e o ostracismo.

Rompendo as barreiras da desinformaçom

Com todas as limitaçons que tenhem dificultado a nossa atividade nestes 12 primeiros meses de existência, achamos ter conseguido os objetivos marcados, a vários níveis.

Para já, porque demonstramos que a Galiza tem umha alternativa para o seu desenvolvimento como povo soberano no mundo de mais de 200 milhons de pessoas que fala a nossa língua comum. Temos um espaço fora da dependência de Espanha, das suas modas, dos seus mitos e esquemas supostamente incontornáveis para nós. Podemos aceder a toda a informaçom produzida diariamente sobre os mais diversos temas e com as mais diversas perspectivas da esquerda revolucionária, através da nossa língua, sem termos que cair nos referentes espanhóis.

Também conseguimos umha adesom importante nos restantes países que formam a nossa comunidade lingüística internacional, com umha proposta inédita de informaçom anticapitalista no quadro dos povos (nom os estados!) lusófonos, cujos anelos coincidem no fundamental e venhem sintetizados polo nome do nosso portal: a Liberdade!

Um sintoma de estarmos a avançar polo caminho certo foi a censura ensaiada por umha multinacional espanhola, Telefónica, contra a difusom do Diário Liberdade no Brasil. Durante vários meses, milhons de brasileiros e brasileiras nom pudérom visitar-nos devido ao bloqueio imposto em zonas importantes do país, que só foi quebrada graças à própria iniciativa dos nossos leitores e leitoras do Brasil. Umha campanha de denúncia nas redes sociais conseguiu o que parecia difícil: a retificaçom da Telefónica, que da noite para o dia suspendeu o bloqueio e permitiu o acesso ao nosso site, no que foi umha importante vitória para a livre circulaçom de ideias anticapitalista na internet brasileira.

Ao anterior há que somar um número crescente de parcerias com outros meios de informaçom populares e anticapitalistas do Brasil, de Euskal Herria, dos Països Cataláns e do próprio Estado espanhol. A mais recente é a que acordamos com o Correio da Cidadania, portal de referência anticapitalista brasileiro, que se soma às já assinadas com Pátria Latina, Carta Maior, Unamérica, Llibertat, Kaos en la Red e Boltxe, fortalecendo umha importante rede internacional alternativa à desinformaçom do sistema capitalista e dos seus serventes informativos.

Nom menos importante tem sido nestes meses o entusiasmo da adesom brasileira à nossa proposta. No Brasil contamos já com um grupo de colaboradores e colaboradoras que, de diferentes maneiras e em diferentes pontos do país, fam parte deste projeto.

Diário Liberdade: Um ano informando o Brasil

A esquerda brasileira, que não conta com nenhum jornal de massas, possui algumas iniciativas de comunicação anticapitalista, como nossos parceiros Carta Maior e Correio da Cidadania, entre outros projetos anticapitalistas como Brasil De Fato. Com o intuito de internacionalizar as lutas e aproximar a comunidade anticapitalista lusófona, Diário Liberdade tem a certeza de estar cumprido uma importante tarefa. O portal nascido na Galiza, em poucos meses ganhou audiência em Portugal e no Brasil. E esta audiência não se limitou a estes países, alcançando também comunidades lusófonas inclusive na África, em Moçambique, Angola e Cabo Verde.

Neste ano de existência, Diário Liberdade viu seu público brasileiro crescer ao ponto de se igualar ao galego, tanto pelas dimensões continentais do Brasil, quanto pelo nosso trabalho neste país. Aos poucos, diversos lutadores brasileiros passaram a ocupar nosso espaço em nossas colunas de opinião, na colaboração jornalística de atualização diária, na divulgação e no trabalho de tradução de matérias de suma importância para o anticapitalismo lusófono.

Durante as eleições brasileiras de 2010, divulgamos as perspectivas dos partidos da esquerda socialista, dos movimentos sociais e dos trabalhadores, de intelectuais ligados às lutas e trabalhos jornalísticos que contribuíram, mesmo que dentro de nossas limitações, para a qualificação dos debates e das batalhas de ideias, para além da mera denúncia das políticas da direita.

Além disso, Diário Liberdade sabe que cumpriu seu papel ecoando vozes que não dispõem de meios para serem ouvidas, tanto pelas dificuldades inerentes colocadas diante dos ativistas do socialismo quanto pela escassez de meios de comunicação abertos à diversidade de perspectivas das tendências revolucionárias. Nos contenta muito o fato de termos aberto portas aos lutadoras e lutadores que agora dispõem de um portal de comunicação a serviço das lutas sociais e, mesmo que timidamente, pelo tempo de existência, sabemos que este objetivo tem sido alcançado com as pernas que temos.

Entretanto, Diário Liberdade, projeto militante e não comercial pelos princípios do anticapitalismo, precisa incorporar cada dia mais colaboradores para que possamos crescer ainda mais e cumprir efetivamente o papel de instrumento de luta contra o capitalismo. Para isto, precisamos sempre da colaboração de traduções, colaboradores para atualização do portal, jornalistas para produzir reportagens especiais, entre tantas outras frentes que existem e serão abertas. Uma nova frente que inauguramos neste início de ano é a Agenda da Liberdade, que fica logo à direita em nossa página de entrada. Com o intuito de divulgar e ser instrumento direto de divulgação do ativismo social e político para nossas leitoras e nossos leitores.

Esperamos oferecer a cada ano mais informação, mais comunicação, mais anticapitalismo e mais lutas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário